22Agosto2019

NOTÍCIAS GERAL Ministério da Agricultura proíbe venda de seis marcas de azeite. Saiba quais são!

emdiacomunicacao.vcjasaiunamidia

Ministério da Agricultura proíbe venda de seis marcas de azeite. Saiba quais são!

O Ministério da Agricultura alerta os consumidores a desconfiar de azeites muito baratos

Ministrio-da-Agricultura-probe-venda-de-seis-marcas-de-azeite.-Saiba-quais-so

O Ministério da Agricultura proibiu a comercialização de seis marcas de azeite. A decisão foi tomada após equipes de fiscalização encontrarem produtos fraudados ou impróprios para o consumo.

Leia também  >>   Cacau de Linhares está entre os 36 produtos do Brasil protegidos no comércio com União Europeia

As marcas vetadas foram:

1. Oliveiras do Conde,

2. Quinta Lusitana,

3. Quinta D’Oro,

4. Évora,

5. Costanera e

6. Olivais do Porto.

A fiscalização descobriu azeites com problema em Alagoas, Goiás, Mato Grosso, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Santa Catarina e São Paulo. Os itens estavam em redes de supermercados e pequenos estabelecimentos de comercialização de alimentos.

A identificação resultou de uma operação da Polícia Civil de São Paulo, que encontrou uma fábrica clandestina que adulterava azeites, misturando óleos para colocar no mercado garrafas sem azeite de oliva. Essa prática é fraude ao consumidor e crime à saúde pública. Após essa operação, foram testadas 54 marcas do produto.

Os comerciantes do produto, como redes de supermercado, onde foram encontrados os itens irregulares, terão de informar os estoques restantes. Caso se recusem a fornecer informações sobre a presença desses produtos, podem ser autuados.

A empresa pega vendendo produtos das marcas objeto da proibição poderão ser denunciadas ao Ministério Público Federal e responsabilizadas criminalmente, bem como punidas com multas de R$ 5 mil por ocorrência.

Leia também  >>   Sedu repassa mais de R$ 4 milhões para escolas da Rede Estadual

O Ministério da Agricultura alerta os consumidores a desconfiar de azeites muito baratos, pois há boas chances de adulteração. Segundo o órgão, em geral o item custa em torno de R$ 17, enquanto exemplares falsificados são comercializados por entre R$ 7 e R$ 10.

Redação Portal Linhares Em Dia

Com Agência Brasil


SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Se achar algo que viole os TERMOS DE USO, denuncie. Leia as PERGUNTAS MAIS FREQUENTES para saber o que é impróprio ou ilegal. 

Siga-nos no FacebookTwitter e YouTube.

Convidamos você a fazer parte dos nossos canais nas redes sociais e navegar pelo nosso Portal de notícias Linhares Em Dia.